Notícias

Coordenadora denuncia que foi dopada e abusada dentro de escola em Goiânia

today19 de março de 2022 10

Fundo
share close

Uma coordenadora do Centro de Ensino em Tempo Integral (CEPI) Severiano de Araújo, na região Noroeste de Goiânia, denunciou que foi dopada e abusada dentro da unidade escolar. Segundo ela, os crimes foram cometidos em janeiro pela diretora e pelo vigilante do colégio, respectivamente. A Polícia Civil investiga o caso. Todos os envolvidos foram afastados da função temporariamente. A direção nega os delitos.

A vítima, que não terá o nome divulgado, disse que os crimes ocorreram fora do horário do expediente, quando a equipe realizava obras na escola aos finais de semana. De acordo com ela, tais serviços ocorriam sob som alto e consumo de bebida alcóolica por boa parte dos servidores.

A mulher conta que, em um final de semana, foi dopada pela diretora da unidade. “Ela mesmo me confessou que tinha me dado bala. Eu apaguei, perdi os sentidos. Até então, não sabia do abuso. Fui descobrir mais tarde, depois de ser ameaçada pelo autor e ver vídeos do crime”, disse.

Coordenadora supostamente dopada e estuprada dentro de escola diz que sofre perseguição e ameaça

Dias depois, sem saber da existência dos vídeos, a coordenadora teve, por cerca de 15 dias, um relacionamento amoroso com o vigilante da escola, que também teve relação com a diretora da unidade. A coordenadora relata que, por notar comportamento agressivo do homem, decidiu colocar fim ao relacionamento.

De acordo com ela, após o término, o suposto autor passou a persegui-la e ameaçá-la. “Dizia que se eu não desse dinheiro, divulgaria fotos e vídeos íntimos. Eu estava tranquila, pois não tinha conhecimento do que ele tinha feito, do abuso que eu tinha sofrido”.

À reportagem, a mulher disse que além do vigilante, a diretora e outra coordenadora da escola passaram a praticar assédio moral. “Elas divulgaram os vídeos para outros professores e até mesmo para os alunos. Foi aí que descobri o que tinha acontecido. Um dos vídeos mostra que estou desacordada e que o vigilante está com o órgão sexual no meu rosto. A gravação foi feita pela própria diretora”, afirmou.

 

Depois da situação, a profissional decidiu levar o caso à Polícia e solicitar medida protetiva contra os autores. “Tenho três filhas e não tenho mais paz. Estou sendo perseguida e ameaçada. Estão querendo me destruir. Me difamaram para toda a escola, inclusive para os alunos. Só quero justiça”, pediu.

Investigação

O caso foi registrado na 2ª Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), na região Noroeste de Goiânia. De acordo com a Polícia Civil, testemunhas já estão sendo ouvidas e os celulares dos supostos envolvidos estão sendo periciados.

A corporação visa encontrar o suposto vídeo para confirmar ou não a ocorrência do crime de estupro. O Mais Goiás tentou contato com a diretora e com o vigilante, mas não obteve sucesso.

Em nota, a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) informou que todos os envolvidos foram afastados das funções “para que não houvesse prejuízo à comunidade escolar”.

O vigilante teve seu contrato encerrado e a coordenadora e diretora foram afastadas temporariamente.
A pasta disse, ainda, que instaurou uma auditoria no colégio para apurar o ocorrido.

Também por meio de nota, a unidade escolar disse que tem sofrido inverdades e calúnias pela funcionária “que não teve seus caprichos atendidos”.

Confira a nota do CEPI na íntegra:

Ao longo do trabalho da gestão do CEPI, a verdade, a honestidade e o cumprimento da lei, foram a base do trabalho. O CEPI vem sofrendo ataques por parte de uma servidora, ataques de ódio, mentiras e difamação. Pedimos encarecidamente que, em caso de inverdades, boatos, fofocas, e fake News espalhadas em grupos de WhatsApp, privados, Instagram e demais, procurem a unidade escolar. Estamos prontos para esclarecer todo e qualquer boatos.

Por Mais Goiás

Escrito por admradioterra

Rate it

Post anterior

Notícias

Itens da cesta básica em tiveram aumento médio de 57,22% Goiânia nos 2 anos de pandemia

  Alimentos que compõe a cesta básica tiveram aumento médio de 57,22% nos dois anos de pandemia da Covid-19 em Goiânia, segundo o Procon Goiás. O órgão pesquisou 13 itens da cesta em 15 estabelecimentos de 14 a 17 de março de 2022. O óleo de soja obteve aumentos de até 186%, houve alta acumulada também de 144% no café em pó (500g), 117% no quilo do tomate, 99,03% no […]

today18 de março de 2022 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *


0%